A Revolução de 31 de Março de 1964

Há exatos 45 anos a Revolução desencadeada pelo General Olympio Mourão Filho varria do país a ameaça comunista. Destruindo a nação por dentro, como um câncer, o entusiasmo socialista grassava em todos os segmentos da sociedade; era moda, mundo afora. Enquanto o terror dos estados policiais conquistava, pela força, país após outro, os atrapalhados comunistas brasileiros apostavam na fórmula-padrão: destruir a sociedade por dentro, no meio da juventude, arrasar com a hierarquia militar, conquistar mentes na elite docente universitária, arrebanhar camponeses mergulhados na miséria e na prole numerosa, inflamar a população; governadores deixavam suas mesas entregues ao 2º escalão e saíam  país afora, apregoando a luta armada e a tomada do poder, as reformas  comunistas, a usurpação da propriedade privada e a supressão das liberdades individuais. Golpe? Ridículo! Golpe é dado dentro de um quartel, ninguém fica sabendo, acorda-se com novos  mandantes, tudo feito na calada da noite, como o golpe de 1889 e a intentona comunista de 1935; e as centenas de marchas pelas capitais do Brasil? Um milhão de pessoas em São Paulo, lideradas pela TFP; 500 mil no  Rio de Janeiro. Por que não houve sangue? O presidente não queria, magnanimamente, e preferiu exilar-se? Negativo. Não havia quorum para a reação. Nenhuma camada da sociedade se rebelou contra a Revolução. Claro, exceto os comunistas, sindicalistas, maus alunos da UNE, políticos que nunca trabalharam, mas sim viviam 24 horas tentanto insuflar alguém contra alguém. Deu no que deu. Sumiu todo mundo. Agora põem novamente as unhas de fora. Entidades criminosas, como o mst  e a via campesina, tentando pela força implantar um regime que caiu de podre no resto do mundo, há exatos vinte anos, sem um único tiro de espingarda dos Estados Unidos, o “império”. Continuem assim, estão no caminho certo. Quem é  estúpido o bastante, e não aprende com a História, será sempre condenado a repeti-la.
Anúncios

Sobre ultradireitaemmarcha

~Brasileiros de ultradireita, defensores da família, da propriedade privada licitamente constituída, da livre iniciativa, da economia de mercado, das tradições cristãs ocidentais, da liberdade e da responsabilidade individual na manutenção e fortalecimento da pátria e do Estado como subordinado à sociedade, não o contrário.
Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s